4 dicas de como escolher imagens melhores para conteúdos sobre saúde e bem-estar

4 dicas de como escolher imagens melhores para conteúdos sobre saúde e bem-estar
28 de agosto de 2020 Nicole Lallée
Designer ajustando imagem

Usar recursos visuais na estratégia de marketing de conteúdo é essencial para se destacar e atrair público. Seja para blog, redes sociais, infográficos, e-mail marketing ou outros materiais, a escolha das imagens dos seus conteúdos pode fazer a diferença entre ter ou não resultados. As imagens não só ajudam a tornar o conteúdo mais fácil de ser compreendido, elas são mais fáceis de serem lembradas do que textos e carregam emoção. Claro, desde que sejam tomados os cuidados necessários na hora de selecionar a imagem.

No marketing na área de saúde e bem-estar, o cuidado com a escolha de fotos e ilustrações deve ser ainda mais cauteloso do que em outros setores. Afinal, lidamos com assuntos delicados e de grande impacto. Uma foto bem escolhida sobre uma condição de saúde, por exemplo, pode demonstrar esperança e incentivo à promoção de saúde. Uma má escolha pode levar a gatilhos e sensações ruins.

A importância das imagens

Primeiro, vamos entender o potencial das imagens, sejam fotos ou ilustrações. Sabia que as pessoas gastam 10% mais de tempo olhando para imagens em um site do que lendo texto? Esse dado é da pesquisa de rastreamento ocular da Nielsen. Esse estudo também mostrou que alguns tipos de fotos são completamente ignorados. É o caso de imagens grandes que são puramente decorativas.

Outra pesquisa realizada pela Brain Rules afirma que as pessoas podem lembrar de 65% das informações se forem exibidas com recursos visuais. Quando a informação é apresentada verbalmente, as pessoas só se lembram de 10% do que ouvem.

Isso acontece porque o conteúdo visual é processado mais rápido pelo cérebro humano. Pense bem, você prefere ver um bloco grande de texto ou uma imagem que você se sinta identificada e com pouco texto? Segundo SAGE Handbook of Political Communication, o cérebro processa informação visual 60 mil vezes mais rápido do que para decifrar um texto.

Cuidados necessários ao escolher imagens de conteúdos sobre saúde

Sabendo da importância das imagens, conversei com nossa equipe de designers para reunir aqui no blog algumas dicas de cuidados essenciais ao escolher imagens no marketing de conteúdo sobre saúde e bem-estar.

Sejam fotos de banco de imagens ou próprias, vamos partir do básico, que é: toda imagem deve ter boa resolução. Confira agora outras dicas!

1. Pessoas reais e menos fotos posadas

Evite fotos de pessoas olhando para a câmera, muito posadas, genéricas e pouco naturais. Nem sempre é possível produzir fotos próprias, mas mesmo em banco de imagens, é possível encontrar fotos mais naturais. “A foto tem que ser o mais orgânica possível, com cenário, a pessoa realizando uma atividade cotidiana, para poder criar uma história e uma identificação do público”, dá a dica Monize Aquino, nossa diretora de arte.

2. Público-alvo precisa se identificar

Outro conselho importante é que é necessário ter em conta qual é o seu público-alvo, pensando em fatores como faixa etária, gênero e poder aquisitivo. O usuário que você quer conquistar precisa se identificar ao ver a imagem. Por exemplo, ao tratarmos de conteúdos sobre procedimentos estéticos, como toxina botulínica, não é recomendado mostrar o procedimento em si pois é uma imagem mais invasiva. Mas é possível mostrar uma mulher feliz consigo mesma. Assim, o usuário olha e pensa que quer se sentir daquela maneira.


Escute também: #ep05 – O processo criativo na área da saúde

3. Ser atraente sem ser apelativo

A intenção da comunicação de saúde é mudar um hábito ou informar o paciente. Por isso, o conteúdo precisa chamar atenção, mas não pode ser agressivo. É necessário cativar o público mostrando o que é importante para ele. Pensando nisso, é importante ter em mente que nas redes sociais, por exemplo, não é permitido patrocinar posts com imagens que foquem em partes do corpo.

Apesar de ainda ser muito comum em diversos perfis, os anúncios não podem apresentar imagens de “antes e depois” ou fotos que contêm resultados inesperados ou improváveis. Assim sendo, você pode até postar essa imagem, mas seu patrocínio não será aceito.

Se você é médico, algo a se levar em conta é a norma do Conselho Federal de Medicina, que também proíbe esse tipo de imagem. Além disso, a rede social afirma que o conteúdo do anúncio não deve implicar ou tentar gerar uma autoimagem negativa para promover dietas, perda de peso ou outros produtos relacionados à saúde. Para saber mais sobre as regras de anúncios no Facebook e no Instagram, leia nosso artigo.

4. Fotos que remetam a coisas boas mesmo que o tema seja mais pesado

Conteúdos visuais influenciam as emoções de quem vê. “Um dos maiores desafios é passar uma mensagem boa e de bem-estar mesmo quando o assunto é mais pesado”, conta Monize. Por exemplo, no caso de conteúdos sobre o movimento Outubro Rosa. É importante que as imagens incentivem as mulheres a se cuidarem e se protegerem contra o câncer de mama. Ao mesmo tempo, a imagem também pode impactar quem já teve ou tem a doença. Assim sendo, é importante que ela não remeta a fases ou sentimentos ruins. Uma imagem boa deve passar sentimento de esperança e leveza.

Outro caso por exemplo é em casos de conteúdos sobre depressão e suicídio. É muito importante evitar imagens que causem gatilhos ruins.

Gostou deste artigo? Compartilhe nas suas redes sociais e veja mais dicas de marketing em saúde aqui em nosso blog.

Nicole Lallée
Jornalista, já trabalhou com jornal impresso, rádio e sites de meios de comunicação. Migrou para o marketing digital e tem grande conhecimento em SEO e Google Analytics. De família argentina, tem fluência em espanhol, o que lhe garante bons trabalhos e a fala ligeirinha.